“ISTAMBUL, MINAS GERAIS”

Postado em 28 de fevereiro de 2009 – Blog Estrela Binaria (Antonio Carlos Augusto Gama)

Para a Sonia (com pedido de perdão pelas caneladas)

“Eu gostaria muito de escrever assim toda a história da minha vida — como se minha vida tivesse acontecido a uma outra pessoa, como se fosse um sonho em que eu sentisse a minha voz sumir e a minha vontade sucumbir ao encantamento. Por mais que a considere linda, acho a linguagem da epopéia inconvincente, pois não consigo aceitar que os mitos que contamos acerca do começo de nossas vidas nos preparem para as segundas vidas mais autênticas e brilhantes a que precisamos dar início assim que despertamos. Porque — pelo menos para pessoas como eu — essa segunda vida é nada menos do que o livro em suas mãos. Por isso, preste muita atenção, caro leitor. Vou lhe falar com franqueza, e em troca quero pedir a sua compaixão” (Istambul: memória e cidade, Orhan Pamuk).

“Istambul sempre me atraiu.

De início pela simples sonoridade da palavra, depois pelo que fui sabendo a respeito dela nas aulas de História (antiga Constantinopla, sede do Império Bizantino, cuja queda marca o fim da Idade Média etc etc) e, sobretudo, ao ler novelas policiais e assistir a filmes idem, em que a cidade era palco de mil aventuras, nas quais se envolviam espiões, assassinos, detetives, mulheres enigmáticas e fatais. Personagens, ruas, becos, casas e edifícios, o encontro do Oriente com o Ocidente, o Bósforo, com suas águas profundas e negras, singradas por navios misteriosos e suspeitos.

Tão logo me deparei com o livro Istambul: memória e cidade (e sua melancólica e linda capa) do escritor Orhan Pamuk, Nobel de literatura em 2006, que nasceu e passou a maior parte de sua vida lá, tratei de comprá-lo e nele mergulhei. Aliás, Orhan Pamuk se exilou nos EUA em razão das ameaças que passou a sofrer depois que teve a coragem de falar sobre o episódio maldito e proibido para os turcos, que é o massacre de armênios.

Costumo ler vários livros simultaneamente, saltando de um para outro, sem me confundir ou perder a atmosfera de cada um (faço o mesmo com os canais da TV, e minha mulher briga comigo, dizendo que isso é coisa de maluco). Por isso, embora já tenha terminado a leitura há algum tempo, só agora me ocorreu fazer este registro e recomendar o livro.

Tenho quase a mesma idade de Orhan Pamuk, e suas reminiscências afetivas sobre o Edifício Pamuk, cujos andares abrigava toda a sua família (rica, mas em processo de decadência), suas visitas ao apartamento da avó, com seus móveis antigos, seus tapetes, suas salas fechadas, as fotografias espalhadas por todos os cantos, os vasos e enfeites intocáveis, a solidão e a imaginação do menino Orhan, tentando compreender o mundo que o cercava, me provocaram um retorno proustiano à casa dos meus avós maternos, onde passei parte da primeira infância.

                         Istambul, Turquia, e Guaxupé, sul de Minas, Brasil. Lugares tão distantes, meninos tão parecidos, circunstâncias e sentimentos tão próximos!

                         Essa busca do tempo perdido reavivou-se hoje com outra madeleine, que foi uma troca de e-mails com uma sobrinha da minha avó materna, a quem sempre considerei como prima em primeiro grau, já que também somos quase da mesma idade. Apesar disso, convivemos pouco, pois sempre moramos em cidades diferentes e só nos encontrávamos esporadicamente. 

                        Retomamos o contato pela internet e ela, tendo visitado este blog, deixou nele um comentário carinhoso e me enviou e-mail cheio de recordações, entre as quais uma que me faz corar de vergonha (e de que juro não me lembrar): diz ela que vivia com as canelas roxas pelos pontapés que eu lhe dava, quando éramos pequenos.

                         Logo eu, que me achava um gentil infante!

Muito dessa impressão (que parece agora ser falsa) de menino bem comportado e circunspecto, que também me unia ao pequeno Orhan de Istambul, decorre de uma mania da minha avó materna, Dona Gessy, que adorava me empetecar com uns terninhos de linho engomado (pobre de mim), com monogramas por ela mesma bordados com todo o capricho no bolso, e me levar consigo nas visitas às amigas.

As madames ficavam a conversar, tomar chá, comer bolinhos e jogar baralho por longas horas, enquanto eu ─ para orgulho da vovó ─ mantinha um comportamento impecável, de um verdadeiro rapazinho e cavalheiro, sem tocar em nada que pudesse ser quebrado. Mergulhava então em mim mesmo, e minha imaginação campeava livre, inventando coisas e brincadeiras íntimas, para passar o tempo e fugir da chatice.

De vez em quando, ou ao nos despedirmos para ir embora, algumas das madames me derramavam elogios, me apertavam as bochechas ou me enchiam de beijos molhados e piniquentos, que me deixavam a cara lambuzada e marcada de batom.

                         Talvez depois descontasse tudo isso nas canelas da pobre prima.”

Sonia Kahawach14/04/09 at 16:02 – Resposta

Depois de um pedido de desculpas assim e uma homenagem dessas, não tem canela que possa se manter dolorida. Fico sinceramente lisonjeada e creio que no meu e-mail coloquei muito do carinho que lhe mantenho e que demonstra que os pontapés fazem parte de um passado muuuuito passado. Bjs. 

 Eu tenho que deixar aqui registrada a troca de e-mail que mantenho com um primo muito querido, intelectual, grande escritor, mente brilhante, por quem tenho enorme admiração e carinho, dono do blog Estrela Binaria, visita obrigatória para quem curte poesias/crônicas/contos/comentários sobre músicas, escritores e outras criações. E ainda sempre me brinda com seus comentários aqui.

Como minha intenção básica com este meu blog era registrar tudo o que possa ser interessante e importante pra mim, não poderia me furtar a transcrever esse post que ele publicou em 2009 e hoje me relembrou porque lhe enviei matéria sobre Istambul – que ele tanto admira.

Ele é tão especial que conseguiu caminhar, com maestria em seu texto, da longínqua Turquia até Guaxupé/Sul de Minas.

Passei lindas e gostosas férias nessa cidadezinha localizada próxima de Poços de Caldas, onde fui criada. Ele recordou no texto um período quando tínhamos eu uns 8 a 9 anos e ele era um garotinho com uns seis ou 7 anos, pois não me lembro bem qual a diferença que temos. Apesar das caneladas (rsrs), brincamos muito naquela época quando ainda se tinha uma real infância de brincadeiras de rua, de imitação de faroeste e tivemos dias muito divertidos e tão bons que ficaram na lembrança para sempre. 

Anúncios

2 pensamentos sobre ““ISTAMBUL, MINAS GERAIS”

  1. Esqueça as desculpas, querido, e saiba que pra mim v. ficou entre as melhores recordações da infância e agradeço pela continuidade do convívio, mesmo que nem sempre possamos estar ao vivo e a cores. Desfrutar (na melhor das intenções), de você, já torna a vida mais colorida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s