A paz dos inquietos

 Já comentei antes que uma das autoras que mais se achegam ao que as mulheres gostariam de dizer, é Danuza Leão.

Esta crônica tão deliciosamente escrita e transposta para o papel , é algo muito real e descreve com maestria a condição dos inquietos.  

Quando li, logo passei para uma pessoa muito querida e que mora comigo,

dizendo na forma que o pessoal daqui do interior fala: “ó nói aqui!”  

Leia e veja se também se enquadra nesta forma de ser.

Que não é fácil nem pra quem é nem pra quem convive rs

inquietos

DanuzaÉ A INQUIETAÇÃO; ou você nasce com ela ou não, e se nasceu, vai passar a vida inteira com uma pressão no peito e outra na alma, querendo entender e não entendendo, trocando de casa, de objetivo, de marido e de analista, sem chegar, nunca, a uma conclusão.

Um inquieto não tem sossego: se é pobre, gostaria de ser rico, se é rico, acha que o dinheiro atrapalha e que talvez fosse mais feliz se morasse numa pequena cabana. Se for inverno, ele se lembra com saudades do verão, mas se está debaixo do mais lindo sol, pensa em como seria bom se estivesse em Gramado no inverno, de botas, tomando um chocolate quente. Não é que ele queira sempre o que não tem; apenas não consegue viver o momento presente – não em paz.

Ou está lembrando-se do passado ou pensando em como vai ser bom quando o futuro chegar. É duro fazer parte da tribo dos inquietos.

Com eles não há risco de monotonia; acordam te sufocando com beijos e abraços ou na mais fria das indiferenças, e o pior: sem saber o porquê. No meio do dia podem telefonar como a mais dócil das criaturas, sem conseguir explicar por que foram tão insuportáveis horas antes.

Nem explicar, nem entender. É dura a vida dos que vivem perto de um inquieto. 
Mesmo quando está tudo bem – o amor perfeito e o trabalho legal, alguma coisa atrapalha: é a tranquilidade.

Como é possível alguém viver em paz e em harmonia com as pessoas e com o mundo? Difícil de responder. 
Difícil, a vida dos inquietos, e ninguém imaginaria o quanto essas pessoas tão vitais – porque vitalidade é o que não lhes falta- sofrem, mas que ninguém confunda sofrimento com infelicidade.

Nada a ver. Para eles nunca há paz; há momentos de intensa e fugaz felicidade, mas paz, nunca. O grande momento dos inquietos é quando eles começam a planejar uma mudança de vida, seja essa mudança quebrar uma parede, mudar de profissão ou de país. 

Eles vivem em eterna tensão, para o bem ou para o mal; só não podem é ficar parados. Os inquietos não se conformam com nada que se pareça com a estabilidade, e por isso os caminhos que escolhem, sejam eles quais forem, são sempre os mais difíceis.

Os inquietos não sabem viver sem uma complicação, e a luta para eles é sempre melhor que a vitória. 
Eles não compram, jamais, uma casa de campo pronta, mas um terreno; levam dois anos para construí-la e mais dois fazendo o jardim, decorando etc. No dia em que ela fica pronta, as flores crescidas, ele sente um grande vazio – que só se resolve quando encontra um comprador.

É que assim eles passam a maior parte da vida, com algumas pausas para refletir por que são assim e como poderiam se aquietar, para serem mais felizes; para encontrar uma certa paz, talvez -só que não conseguem.

Mas um dia eles compreendem que essas pausas foram tempo perdido e teria sido mais simples se tivessem reconhecido, há muito mais tempo, que com eles não há nada a fazer, e que é impossível mudar. 
E é melhor que não saibam nunca: se souberem, terão, de certa maneira, encontrado a tal da paz – o que para eles pode ser fatal.

Danuza Leão

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s