Arquivo | dezembro 2013

Vida que se renova

FELIZ ANO NOVO!

feliz ano novo

Há dias e dias que pelas madrugadas fico pensando, pensando e escrevendo em pensamento. Tenho tanta coisa pra falar, mas não tenho conseguido sentar aqui e registrar. Agora me sentei, um copo de suco de uva ao lado e vamos conversar um pouquinho.

 

Um novo ano se aproxima e preciso deixar falado que este ano que já se coloca no horizonte, partindo pra sempre, não foi dos mais fáceis pra mim. Passei por períodos de muito medo, de muita insegurança, de muita dor física e emocional, mas consegui atravessá-lo por inteiro e sem perder a esperança de que novos dias estão chegando com surpresas agradáveis, momentos de paz e amor para todos os que amo.

 

Apesar das dores, tive prazeres enormes conhecendo pessoas maravilhosas que me cercaram e conviveram comigo dia a dia, tanto pessoal como virtualmente.

Sim, porque hoje a gente consegue conhecer, conversar e conviver, mesmo virtualmente, com a mesma sensação de presença física.

 

Conheci pessoas que se dedicam a cuidar de outros com sorrisos e palavras de entusiasmo;

– pude me encontrar com gente que é poeta, que escreve textos belíssimos que é algo que sempre admirei muito;

– pude me aproximar de gente que é artista de alma, que pinta, escreve, canta e encanta;

– conheci outras que têm uma vida semelhante a minha, que cuidam de animaizinhos amados, moram em uma casa simples, mas cheias de amor e esperança, com as quais estreitei laços que serão de amor para sempre;

– conversei com muita gente que me fez muito bem espiritualmente, que me animou em momentos complicados;

– tive visitas de pessoas lindas que só conhecia por aqui e que vieram me ver e até trouxeram mimos para me alegrar e como forma de nos conhecermos pessoalmente;

– tive a graça de contar com a ajuda de pessoas queridas, até chegadas familiarmente, mas que me surpreenderam com a solidariedade e carinho que se demonstram em atitudes;

– tive a oportunidade de contar com amigos sinceros e com presença constante, que se preocuparam em fazer e trazer comidinhas que pudessem me agradar e fazer bem, que foram comigo até subir em árvores pra colher folhas de chá que me ajudariam.

 

Tudo isto não tem preço. Não tem forma de se agradecer. Tenho só mesmo de abençoar a cada um, pedindo a Deus que lhes dê o retorno de todo este bem que me fizeram. 

Por este aspecto foi um ano lindo. Minhas experiências de saúde não foram  das melhores, mas trouxeram consigo momentos muito especiais.

 A VIDA é isto!

Coisas tristes que trazem em seu bojo também a alegria.

A compensação sempre acontece.

E isto é muito importante.

Viver o dia a dia, sem perder os melhores momentos.

Chorar para aprender a sorrir cada vez mais e de forma completa.

Se não tivesse chuva não teríamos a possibilidade do arco-íris com suas cores divinas e incomparáveis.

Sempre falei e agora posso repetir com certeza que quem não sabe chorar não pode aprender a sorrir.

Quem não passa por experiências complicadas não consegue encarar fatos simples.

 

Aprendi nessa caminhada a me desapegar de coisas materiais que não conseguia antes. Foi um aprendizado pra eu nunca mais dizer de boca cheia que a coisa mais importante da vida é o dinheiro, pois com ele existindo até cuidar da saúde é mais fácil.

Doce ilusão.

 

Afinal tudo é importante. Cada coisa tem seu valor e sua colocação no espaço desta vida. Isto é o VIVER.

Isto é o caminhar que se inicia no útero da mãe e vai nos conduzindo como numa formação de elos, cada fato se juntando aos outros, cada dia proporcionando novos acontecimentos que se juntam e que recebe o nome de VIDA.

 

E é muita VIDA – completa, com grandes surpresas, com lágrimas e sorrisos, com dores e

amenidades, com a condição de conhecer pessoas que enriquecem cada dia e fazem valer a

pena, com todos os jogos de perdas e ganhos, com todos os elos que compõem esta grande

sinfonia – muita e muita VIDA é o que desejo a todos que fizeram e fazem parte da minha.

 

 ramal

Aos companheiros de jornada

Tenho de aqui deixar registrado meu agradecimento, pois é o meu blog, onde a finalidade básica e primordial sempre foi registrar meus sentimentos e inserir o que achasse interessante para compartilhar. Obs.: CEON= Centro de Oncologia do Hospital dos Fornecedores de Cana de Piracicaba. Meu tratamento foi todo coberto pelo SUS, sendo de primeira linha nesse hospital, com equipe completa, maquinários e condições técnicas excelentes.  Esta carta ora aqui registrada, foi entregue no Centro, com um ramalhete de flores, como forma de agradecimento e gratidão a todos.
 

ramalhete

Aos meus companheiros de jornada durante esse 2013.

Digo companheiros de jornada porque passei praticamente o ano todo comparecendo quase diariamente a este CEON, num tratamento que se mostrou eficaz para o meu caso.

Quero agradecer do fundo do coração a todos que aí colaboram, deixando marcas de carinho, competência, atenção e desvelo com os que necessitam tanto do trabalho de vocês.

Agradeço carinhosamente às meninas das recepções, que sempre mantém o sorriso nos lábios e a presteza no atendimento.(Rafaela, Denise, Karen, Janaina – sempre solícitas e eficientes)

Às enfermeiras que não se negam a fornecer os detalhes sobre os tratamentos que serão ministrados, com toda a atenção e paciência. (Ana Paula – radioterapia; Carla – quimioterapia)

 Aos que atendem na radioterapia, com inesgotável paciência e carinho, entendendo que o tratamento nem sempre é aceitável aos pacientes e que esses às vezes dão trabalho e se rebelam. (Márcia, especialmente, que teve paciência enorme comigo na colocação e aceite da máscara, me apoiando fisicamente para levantar da maca que me dava vertigens, sempre com uma atenção e carinhos inesquecíveis)

Aos que dão assistência na quimioterapia, fazendo o trabalho com eficiência, sabendo proceder à aplicação sem judiar do paciente que por si só já se sente judiado o suficiente. (Lea, Tot e todas as meninas que dão o apoio necessário)

Aos médicos super capacitados que se entregam a cada caso, mantendo a atenção, a competência, a paciência nas respostas às perguntas que devem ser muitas e nem sempre com sentido:

(Dr. Marcelo Brun, que eu já conhecia de outras épocas e em quem confio e respeito muito, que fez a biopsia e me deu toda a atenção e explicações sobre o mal instalado, fazendo os devidos encaminhamentos.

Dr. Alberto Sagarra, oncologista que procedeu aos exames e acompanhamento para a químio, que, mesmo mantendo uma postura de muita seriedade, nunca deixou de me responder com delicadeza e paciência às tantas perguntas que sei que faço.

Dra. Ana Paula, radioterapeuta que mantém o sorriso e sempre passa a força e o ânimo de quem entende que o tratamento é difícil.

Dra. Vivian, psiquiatra atenciosa e pronta sempre a modificar prescrições que não se demonstram atendendo ao caso específico.

Dr. Willfredo, dentista eficiente, delicado no trato, carinhoso na forma de ajudar ao paciente a tolerar as passagens de dores e angústias, não se negando nunca a dar as explicações detalhadas e sinceras sobre os tratamentos.)

Às profissionais de acompanhamento aos tratamentos pré, durante e após os procedimentos, que dão alento e tranquilidade aos que estão carentes de carinho, de atenção e de eficiência para se sentirem mais seguros na caminhada:

(Psicóloga Rose que tem o abraço mais solidário e carinhoso dos dias, com toda a paciência de sua profissão para ouvir os lamentos e revoltas, transmitir coragem e fazer o paciente notar que tudo é uma passagem na vida.

Fonoaudióloga Érica, eficiente, delicada, detalhista em suas explicações, passando confiança nos resultados do tratamento que orienta.

Nutricionista Rose, muito jovem, mas eficiente e preocupada com os resultados em cada retorno, transmitindo segurança no que coloca.

Fisioterapeuta Cris, delicadíssima no trato e nas explicações sobre dúvidas, passando “lições de casa” que ainda sigo para completar o tratamento.)

Citei alguns nomes e peço que me perdoem se não o fiz com todos; a memória às vezes falha e foram muitos os profissionais que encontrei nessa jornada. Mas sintam-se todos merecedores de todo meu respeito e agradecimento mais profundo.

Provavelmente no próximo ano ainda terei de comparecer para os devidos acompanhamentos e continuidades necessárias, mas desde já fica aqui registrada minha admiração e gratidão pela eficiência e trato de todos os que dão atendimento neste CEON, desejando muito sucesso para todos em suas especialidades e forma de trabalho.

Agradeço ainda que esta carta seja circulada em todos os setores e, se possível, também para a Diretoria do Hospital mantenedor do Centro.

Grande abraço a todos, Feliz Novo Ano.

ramal

Êxtase

silêncio

Tome consciência do êxtase

“A mente em geral está consciente da dor, mas nunca do êxtase. Se você tem dor de cabeça, está consciente dela. Se não tem dor de cabeça, não se dá conta do bem-estar. Quando o corpo dói, fica consciente dele, mas, quando o corpo está perfeitamente saudável, você não tem consciência da sua saúde.

Essa é a causa básica que faz com que você se sinta tão infeliz: toda a nossa consciência está concentrada na dor. Nós só contamos os espinhos – nunca olhamos para as flores. De algum modo, escolhemos os espinhos e ignoramos as flores. Por uma razão biológica, a natureza fez com que você tivesse consciência da dor para poder evitá-la. De outro modo, sua mão podia ser queimada sem que notasse, seria difícil sobreviver. A natureza, no entanto, não tem qualquer sistema para deixá-lo consciente do prazer, da alegria, da bem-aventurança. Isso tem que ser aprendido, tem que ser praticado. Trata-se de uma arte.

Deste momento em diante, procure ficar consciente das coisas que não são naturais. Por exemplo, seu corpo está saudável: sente-se silenciosamente e tome consciência dele. Sinta o bem-estar. Não há nada de errado com você – aproveite! Faça um esforço deliberado para ter percepção disso. Você se alimentou bem e o seu corpo está satisfeito, saciado: tome consciência disso.

Quando você está com fome, a natureza o deixa consciente disso, mas não tem um sistema para deixá-lo consciente quando está saciado, é algo que tem de ser desenvolvido. A natureza precisa aprimorar essa capacidade porque a sobrevivência é tudo o que tem em vista – qualquer coisa além disso é luxo. A felicidade é um luxo, o maior luxo que existe.

Observo que é isso que faz com que as pessoas sejam tão infelizes – na verdade, não são tão infelizes quanto parecem. Têm muitos momentos de grande alegria, mas esses momentos passam em branco, pois elas nunca tomam consciência deles. A memória das pessoas está sempre cheia de dor e de feridas. A mente, sempre cheia de pesadelos. Num período de 24 horas acontecem milhares de coisas pelas quais você daria graças a Deus, mas sequer se dá conta delas!

Você precisa começar a fazer isso a partir de agora. Ficará surpreso ao ver que a alegria aumentará dia após dia, enquanto a dor e a tristeza diminuirão proporcionalmente, até chegar o dia em que a vida será quase uma celebração. A dor só surgirá de vez em quando e fará parte do jogo. Você não ficará abalado nem perturbado, apenas aceitará.

Se você aprecia a sensação de saciedade que surge depois que come, sabe que a fome provoca uma leve dor… e isso é bom. Se teve uma boa noite de sono e pela manhã se sentiu vivo e revigorado, sabe que, se passar uma noite sem dormir, sentirá um leve mal-estar, mas isso também faz parte do jogo.

Sei por experiência própria que a vida consiste em 99% de alegria e 1% de dor. Contudo, a vida das pessoas consiste em 99% de dor e 1% de alegria – está tudo invertido.

Fique cada vez mais consciente do prazer, da felicidade, do positivo, das flores, dos pequenos raios de sol em meio às nuvens negras.”

Osho, em “Corpo e Mente em Equilíbrio”

Sonhos

sonhos

Existe um tempo pra gente amar?

E pra se amar um alguém em sonhos?

Existe um tempo para sonhar?

E pra realizar um sonho em pensamento?

E um sonho em pensamento pode ser real?

Ou real é tão somente o que se toca?

Pode um toque ser real

Mesmo que sonhado intensamente?

 

São só perguntas de sonhadora,

São só realidades de quem sabe sonhar.

 

Sonia K.

Cheia de você

escreverVoltei a escrever!

Nada de tão importante, nenhuma obra de arte,

Mas depois de um longo e longo tempo,

Consegui voltar a escrever.

E isto é muito importante e bom pra mim.

É algo inerente ao meu ser que preciso sempre dar vazão.

Qualquer que seja o tema ou motivo.

E devia estar muito vazia de tudo,

Pois nada me levava a transmitir em letras.

Devo estar cheia novamente.

De idéias, de sonhos, de saudade, de amor, de raiva,

de ternura, de desejos…

De todos os sentimentos de que sou capaz.

Acho que estou cheia de você,

Meu sonho mais gostoso de sonhar.

Sonia K.

Saudade do Sonho

saudade

Saudade do meu menino.

Daquele que teci em meus sonhos.

Um pequeno grande homem.

Um alguém que me leva a sentir,

A amar, a querer.

Saudade dos toques que não são,

Vontade dos beijos que não chegam,

Desejo de um corpo que não é.

Fico aqui só sentindo,

Tendo saudade de um sonho.

Vontade de uma voz que me fala,

De um abraço que me toca,

De uma boca que me devora.

Saudade de um todo que não se realiza.

Vontade de ser com um ser que não está.

Acaba sendo dor esta paixão latente.

Acaba sendo patente esta dor de paixão.

Sonia K.

Vamos dançar?

Você sabe quais são os benefícios da dança para a nossa mente?

 

A dança de salão permite que a criança livre e espontânea que nos habita, muitas vezes aprisionada pela timidez e pelo excesso de crítica, seja elevada. Quando dançamos, podemos ser soltos e capazes de nos expressar através do corpo.

dança de salão

Dançar protege o cérebro do envelhecimento, pois se trata de um exercício físico que contribui com a interação social, auxilia a reduzir a sensação de estresse e promove o bem estar.

A dança de salão pode ser um excelente complemento terapêutico e, seu componente emocional pode ser utilizado com sucesso como uma ferramenta no tratamento de distúrbios psíquicos.

Seus praticantes se beneficiam de um momento de vivência do corpo inteiro numa perspectiva de autoconhecimento e expressão, desencadeando disposição para o lúdico, para a comunicação com o outro, e para o conhecimento de si, que revelam uma incidência significativa de respostas favoráveis aos sentimentos tidos como positivos.

Neste sentido, as ressonâncias acerca dessa prática, aprimoram, assim, os aspectos relacionados ao bem estar emocional e psíquico, primordiais na vida do idoso.

Fonte: Dra Gabriela Novaes, psicóloga.