Arquivo de Tag | osho

Tarô da Transformação do Momento – OSHO

Não consigo resistir à leitura de Osho. Enriquece, muda formas de pensar, trás vida para a vida.

osho

Mesmo que você tenha quebrado seus votos mil vezes…

Tristeza, sofrimento e miséria – tudo tem que ser tomado de forma não-séria, porque, quanto mais você os levar à sério, mais difícil será livrar-se deles. Quanto menos sério você for, mais fácil ficará passar através do sofrimento, através dos períodos de escuridão, cantando uma canção. E, se uma pessoa é capaz de passar por esses períodos cantarolando e dançando, então por que se torturar sem necessidade? Torne essa jornada somente um belo caso para risadas.

Há uma bela frase de Mevlana Jalaluddin Rumi, um dos maiores mestres sufis de todos os tempos. Ele disse: Venha, quem quer que seja; Errante, religioso, amante do conhecimento… Não importa. 

Não é de desespero, nossa caravana. Venha, mesmo que por mil vezes tenhas quebrado seu voto. Venha, venha, e mais uma vez, venha. Lembre-se desta bela frase: “Não é de desespero nossa caravana.” Também posso dizer isto. Não é de desespero nossa caravana, é a celebração da vida. 

As pessoas se tornam religiosas para fugir da infelicidade, e aquele que se torna religioso por conta da miséria, do sofrimento, está se tornando religioso pelas razões erradas. E, se algo já começa errado, o fim não poderá dar certo. Torne-se religioso por causa da alegria, por causa da experiência da beleza que está ao seu redor, por causa do enorme presente que a existência lhe deu: a vida. 

Torne-se religioso por gratidão. Seus templos, suas igrejas, suas mesquitas e gurudwaras estão cheios de pessoas miseráveis. Elas transformaram também os seus templos em infernos. Estão lá porque estão em agonia. Elas não conhecem nada sagrado, nenhuma verdade, não têm interesse na verdade. Não estão preocupadas com a verdade, não há questionamento. Estão lá apenas para serem consoladas, confortadas. 

Então procuram qualquer um que possa dar a elas crenças fáceis com as quais possam remendar suas vidas, esconder suas feridas, cobrir sua infelicidade. Estão lá à procura de uma falsa satisfação. A nossa caravana não é de desespero. É um templo de alegria, de canções, de música, de criatividade, de amor e vida. Não importa. 

Você pode ter quebrado todas as regras de conduta ou de moralidade. Na verdade, qualquer um que tenha alguma coragem irá quebrar essas regras. Concordo com Jalaluddin Rumi, quando ele diz: Venha, mesmo que por mil vezes você tenha quebrado os seus votos. 

As pessoas inteligentes irão quebrar todos os seus votos muitas vezes, porque a vida está sempre mudando, as situações mudam. E um voto é feito sob pressão – talvez o medo do inferno, a ganância pelo paraíso, respeitabilidade na sociedade… Não está vindo do núcleo mais profundo de seu ser. 

Quando algo vem de seu próprio ser interno, nunca se quebrará. Mas então não será um voto, será um fenômeno simples, como respirar. Venha, venha e mais uma vez venha. Todos são bem-vindos, sem qualquer condição. 

Você não precisa preencher nenhum pré-requisito. Chegou a hora em que é necessário uma grande rebelião contra todas as religiões estabelecidas. A religiosidade é necessária no mundo, mas não precisamos de novas religiões – chega de hindus, cristãos, mulçumanos – só é preciso de de pessoas puramente religiosas, pessoas que tenham grande respeito e amor por si mesmas.

Copyright © 2013 Osho International Foundation

 

 

Anúncios

Desafios – Osho

O ser humano tem a mania ilógica de querer controlar tudo e com uma prepotência enorme de achar que realmente sabe tudo.

Houvesse um pouco mais de humildade em seus atos e pensamentos e tudo poderia ser muito mais tranquilo, ele mais servido, mais satisfeito e mais completo e realizado.  

São quatro as estações do ano, que por sua vez se completa com 12 meses, que perfazem 52 semanas, compostas por 7 dias de 24 horas.

Um passo por vez faz o caminho da vida. E assim ela se renova e se completa em todos os âmbitos.

Saber vivenciar cada passo requer paciência, resignação, entendimento e muito amor.

Mas assim é que a vida se completa e pode ser vivida em todas as suas nuances e completude. Assim é que plantando se faz boa colheita.

Sei que não é fácil todo esse caminho, mas vou aprendendo que é a melhor forma de caminhar.

estações do ano

“Era uma vez um fazendeiro que, após uma colheita ruim, reclamou: ‘Se Deus me desse o controle do clima, tudo seria melhor, pois parece que ele não entende muito de agricultura.’”

Isso é verdade! Ninguém jamais ouviu dizer que Deus é um fazendeiro – como ele poderia saber?

“O Senhor disse a ele: ‘Durante um ano eu lhe darei o controle do clima; peça o que você quiser, e seu desejo será concedido.’”

Antigamente, Deus costumava fazer isso. Depois ele se cansou…

“O pobre homem ficou muito feliz e imediatamente disse: ‘Agora eu quero sol!’, e o sol saiu. Mais tarde ele disse: ‘Que chova!’, e choveu. Durante um ano inteiro, o sol brilhava e depois chovia. As sementes cresciam, cresciam… era um prazer observar aquilo! ‘Agora Deus pode entender como se controla o clima’, ele pensou com orgulho. A plantação nunca antes havia crescido tanto, ficando tão verde, e de um verde tão saudável.

Chegou a hora de colher. O fazendeiro pegou a foice para cortar o trigo, mas sentiu um aperto no coração. Os caules estavam praticamente ocos.

O Senhor veio e lhe perguntou: ‘Como estão as suas plantas?’ O homem se queixou: ‘Pobres, meu Senhor, muito pobres!’ ‘Mas você não controlou o clima? As coisas não saíram como você queria?’

‘Claro! E é por isso que estou perplexo – recebi a chuva e o sol que eu pedi, mas não há o que colher.’

Então o Senhor disse: ‘Mas você nunca pediu vento, tempestades, gelo e neve, tudo o que purifica o ar e torna as raízes duras e resistentes! Você pediu chuva e sol, mas não pediu mau tempo. É por isso que não há o que colher.”’

A vida só é possível através dos desafios. A vida só é possível quando você tem tanto o bom tempo quanto o mau tempo; quando tem prazer e dor; quando tem inverno e verão, dia e noite; quando tem tristeza tanto quanto felicidade, desconforto tanto quanto conforto. A vida passa entre essas duas polaridades.

Movendo-se entre essas duas polaridades, você aprende a se equilibrar. Entre essas duas asas, você aprende a voar até a estrela mais distante.

Se você escolhe o conforto, a conveniência, você escolhe a morte. É assim que perde a felicidade real: você escolheu a conveniência no lugar dela.

É muito conveniente seguir a voz dos pais, é conveniente seguir o padre, é conveniente seguir a igreja, é conveniente seguir a sociedade e o Estado. É muito fácil dizer sim a essas autoridades, mas aí você nunca cresce. Você está tentando conseguir o tesouro da vida por um preço muito baixo. Mas é preciso pagar por ele.

Seja um indivíduo e pague por isso. Na verdade, se você ganhar uma coisa sem pagar, não a aceite — isso é insultante para você. Não a aceite; não lhe fica bem. Diga: “Vou pagar por isso – só então, aceitarei.”

Realmente, se uma coisa lhe é dada sem você estar preparado para ela, sem ser capaz de tê-la, sem estar receptivo a ela, você não poderá possuí-la por muito tempo. Vai perdê-la num lugar ou noutro. Você nunca será capaz de apreciar o valor dela.

A existência nunca lhe dá algo por um preço baixo, pois você nunca será capaz de gostar de verdade de algo que não exigiu nenhum esforço de você.

Escolha o mais difícil. E ser um indivíduo é a coisa mais difícil do mundo, porque ninguém quer que você seja um indivíduo. Todos querem matar a sua individualidade e fazer de você um carneirinho.

Ninguém quer que você seja você mesmo. Por isso, você vai perdendo a felicidade, vai perdendo a direção e, obviamente, a meditação se torna impossível, a concentração parece quase inexistente.

Você não consegue se concentrar, não consegue meditar, não consegue ficar com coisa alguma por mais que uma fração de segundo. Como pode ser feliz?

Escolha o seu destino. Eu não posso mostrar a você qual é o seu destino – ninguém mais sabe, nem você. Você tem que senti-lo, e tem que ir devagar.

Assim, abandone tudo aquilo que, em seu ser, for emprestado, e então você poderá sentir. Isso sempre o conduzirá ao lugar certo, à meta certa.

Aquilo que neste momento você chama de consciência não é a sua consciência. É uma substituta — uma pseudoconsciência, uma farsa, uma falsificação. Abandone-a! E, quando a abandonar, você poderá ver, escondida atrás dela, a sua real consciência que estava à sua espera.

Quando essa consciência penetrar em sua percepção, a sua vida terá uma direção, a meditação seguirá você como uma sombra.

Osho, em “O Homem que Amava as Gaivotas”

Os 10 mandamentos de OSHO

este é osho

Perguntaram a ele pelos seus dez mandamentos. Esta foi sua resposta:

“Você pergunta pelos meus dez mandamentos. Isso é muito difícil, porque eu sou contra qualquer tipo de mandamento.

Todavia, só pela brincadeira, eu estabeleço o que se segue:

Não obedeça a ordens, exceto àquelas que venham de dentro.

O único Deus é a própria vida.

A verdade está dentro, não a procure em nenhum outro lugar.

O amor é a oração.

O vazio é a porta para a verdade, é o meio, o fim e a realização.

A vida é aqui e agora.

Viva completamente acordado.

Não nade, flutue.

Morra a cada momento para que você possa se renovar a cada momento.

Pare de buscar. O que é, é: pare e veja.”

(Osho, em “A Cup of Tea”)

V. conhece seu potencial?

“Você não está usando seu potencial em sua totalidade; você o está usando apenas parcialmente, uma parte muito pequena, um fragmento. E, se não está usando seu potencial em sua totalidade, jamais se sentirá realizado. 

Essa é a miséria, essa é a causa da angústia. Vocês nasceram para ser místicos. A menos que você seja um místico, a menos que venha a conhecer a existência como um mistério – além das palavras, da razão, da lógica, da mente – , não aceitou o desafio da vida; você foi um covarde. Você tem asas, porém, esqueceu”. (Osho)

Todos os seres humanos nascem dotados de um potencial que poderá ou não ser desenvolvido ao longo da vida. É claro que isto dependerá, acima de tudo, do ambiente em que ele crescer e dos estímulos que receber desde cedo para reconhecer os seus talentos.

Infelizmente, muitos vivenciam uma infância onde as cobranças de pais exigentes, fazem-nos chegar à idade adulta sentindo-se incapazes de corresponder ao ideal de perfeição que lhes foi imposto.

Sem perceber, aceitam esta condição como algo definitivo e se resignam a levar uma vida onde a insegurança predomina, e na qual os desafios serão evitados a qualquer custo.  Para nos libertar dos paradigmas e das crenças que dominam nossa mente, é necessário um profundo trabalho de autoconhecimento. Aos poucos, ele nos permitirá compreender que, ao contrário do que supúnhamos, encarar os desafios não nos trará sofrimento, ao contrário, pode nos levar ao encontro da sabedoria e da maturidade.

Aprender a olhar para dentro e enxergar onde reside nosso maior potencial, é uma aventura que demanda paciência e coragem. Mas, vencida a resistência inicial, descobrimos que somos detentores de um poder que não é outorgado por nenhuma entidade exterior a nós.

Ele é intrínseco à nossa natureza, esteve sempre ali, à espera de ser reconhecido. Não pertence à dimensão mundana da vida, mas tem sua raiz na inteligência criativa que deu origem a tudo o que existe no Universo. E, por isso, mesmo, não pode ser destruído a não ser por nossa própria descrença. Confiar neste poder é a única maneira de permitir que ele se fortaleça cada vez mais e se transforme em nossa única identidade.

(Elizabeth Cavalcante)

Compreensão – Osho

As pessoas que se amam podem se separar, mas a compreensão que foi ganha na companhia do outro sempre permanecerá como uma dádiva. Se você amar uma pessoa, o único presente valioso que você pode dar a ela é alguma dose de compreensão.

Converse com o seu parceiro e entenda que algumas vezes ele precisa ficar sozinho. E este é o problema: essa necessidade pode não acontecer ao mesmo tempo para vocês. Às vezes você quer ficar com a pessoa, e ela quer ficar sozinha – nada pode ser feito com relação a isso. Você precisará compreender e deixá-la sozinha. Às vezes você quer ficar sozinho, mas ela quer vir a você – diga-lhe que você não pode fazer nada!

Crie cada vez mais compreensão. É isto que falta aos parceiros amorosos: eles têm suficiente amor, mas nenhuma compreensão, absolutamente nenhuma. Por isso, nas rochas da incompreensão o amor que sentiam, morre. O amor não pode viver sem a compreensão. Sozinho, o amor é muito tolo; com a compreensão, o amor pode viver uma longa vida, uma grande vida – de muitas alegrias compartilhadas, de muitos belos momentos compartilhados, de grandes experiências poéticas. Mas isso acontece somente através da compreensão.

O amor pode lhe dar uma pequena lua-de-mel, mas isso é tudo. Somente a compreensão pode lhe dar uma profunda intimidade. E cada lua-de-mel é seguida pela depressão, pela raiva, pela frustração. A menos que você cresça em compreensão, nenhuma lua-de-mel ajudará; ela será como uma droga.

Assim, tente criar mais compreensão. E mesmo que um dia vocês se separem, a compreensão estará com vocês. Essa será uma dádiva do amor de um para com o outro.

Filosofia Osho

Acho que todos já leram algo escrito traduzindo a filosofia de Osho, um indiano forte, claro pensador, que circulou pela terra deixando focos de luz . Captei um trecho sobre o trabalho dele e aqui coloco a título só de uma pausa para reflexão. Se ainda não o fez, tendo oportunidade veja livros dele. Com certeza vai encontrar uma fonte de inspiração para tentar entender a vida sem complicações, com mais simplicidade.

No seu trabalho, Osho falou praticamente sobre todos os aspectos do desenvolvimento da consciência humana. Seus discursos para discípulos e buscadores de todo o mundo foram publicados em mais de seiscentos e cinqüenta títulos e traduzidos para mais de trinta línguas.

Ele diz: “Minha mensagem não é uma doutrina, não é uma filosofia. Minha mensagem é uma certa alquimia, uma ciência da transformação; assim, somente aqueles que estão dispostos a morrer como são e a renascer em algo tão novo que agora nem podem imaginar, somente essas poucas pessoas corajosas estarão prontas a me ouvir, porque isto será perigoso. Ouvindo, você dá o primeiro passo em direção ao renascimento. Por isso, a minha mensagem não é uma simples comunicação verbal. Ela é muito mais perigosa. Ela é nada menos do que a morte e o renascimento.”

Todo o trabalho de Osho é de desconstrução e silêncio. Desconstrução de dogmas arcaicos e amarras psicológicas que aprisionam e limitam o ser humano. Segundo Osho, todo o planeta (com raras exceções) está doente. Mas é uma doença auto-imposta. Liberdade é o fundamento de um homem auto-realizado e digno. O Silêncio, por sua vez é a comunhão da criatura com sua essência divina e pura. O silêncio é reencontrado pela meditação, onde o homem experimenta seu verdadeiro ser.

De Sigmund Freud a Chuang Tzu, de George Gurdjieff a Buda, de Jesus Cristo a Rabindranath Tagore, Osho extraiu de cada um a essência do que é significativo na busca espiritual do homem, baseando-se não apenas na compreensão intelectual, mas sim na sua própria experiência existencial.

Os seus discípulos garantem que, depois de expulso dos Estados Unidos, Osho não conseguiu qualquer visto para permanência nos países que visitou após o incidente, devido a pressões norte-americanas. Alegam que nenhuma das acusações feitas tem consistência objetiva – fruto apenas do temor e ódio das instituições representadas pelo governo norte-americano, referem os seus discípulos.

Deixou o seguinte epitáfio: “OSHO.. Nunca nasceu…nunca morreu…apenas visitou este planeta Terra entre 1931 e 1990”.