Arquivo de Tag | realidade

Perda de tempo

Um amigo hoje sugeriu manter esta frase afixada em local à vista para ser lida todos os dias.

Gostei da ideia!

E olha que tem gente precisando mesmo se lembrar disso constantemente,

pra não ficar se atolando em perdas de tempo e se estressando

por coisas sem passado, nada de presente e nem vislumbre de futuro.

 

 

carência

Envelhecer – Albert Camus

envelhecendo
“Envelhecer é o único meio de viver muito tempo.
A idade madura é aquela na qual ainda se é jovem, porém com muito mais esforço.
O que mais me atormenta em relação às tolices de minha juventude, não é havê-las cometido…é sim não poder voltar a cometê-las.
Envelhecer é passar da paixão para a compaixão.
Muitas pessoas não chegam aos oitenta porque perdem muito tempo tentando ficar nos quarenta.
Aos vinte anos reina o desejo, aos trinta reina a razão, aos quarenta o juízo.
O que não é belo aos vinte, forte aos trinta, rico aos quarenta, nem sábio aos cinquenta, nunca será nem belo, nem forte, nem rico, nem sábio…
Quando se passa dos sessenta, são poucas as coisas que nos parecem absurdas.
Os jovens pensam que os velhos são bobos; os velhos sabem que os jovens o são.
A maturidade do homem é voltar a encontrar a serenidade como aquela que se usufruía quando se era menino.
Nada passa mais depressa que os anos.
Quando era jovem dizia:
“verás quando tiver cinquenta anos”.
Tenho cinquenta anos e não estou vendo nada.
Nos olhos dos jovens arde a chama, nos olhos dos velhos brilha a luz.
A iniciativa da juventude vale tanto a experiência dos velhos.
Sempre há um menino em todos os homens.
A cada idade lhe cai bem uma conduta diferente.
Os jovens andam em grupo, os adultos em pares e os velhos andam sós.
Feliz é quem foi jovem em sua juventude e feliz é quem foi sábio em sua velhice.
Todos desejamos chegar à velhice e todos negamos que tenhamos chegado.
Não entendo isso dos anos: que, todavia, é bom vivê-los, mas não tê-los.”
Albert Camus

 

 

De repente… tudo tão simples.

Passei anos e anos de minha vida me preocupando com tudo e todos. Tinha uma família – e não era tão pequena – pra sustentar e dar conta do dia a dia. Complicava o fato de ter sido criada com conforto, abundância de tudo, preparada para fazer um casamento com um “lorde” que me supriria de todas as necessidades e mais ainda. Estudava piano pois seria uma grande pianista como era o desejo de minha mãe. Nunca aprendi a fazer um arroz que fosse. E então….. vem a vida invertendo todas as respostas a qualquer pergunta que se faça. Daí fui à luta. Se bem que sempre gostei de trabalhar (fora de casa!) e comecei muito cedo mesmo a contragosto de meu pai que ainda era do tempo que filhA trabalhar fora era vergonhoso. Como sempre fui um pouco rebelde e contra regras e disciplina, mesmo não sendo uma anarquista, consegui me realizar muito profissionalmente. Mas meus dias eram repletos e minhas horas sempre gastas com o trabalho principalmente. Lazer era algo que não me chamava muito a atenção. Lamento hoje pelas minhas filhas que acabavam por me ter muito pouco em casa e ainda hoje reclamam disso.  Agradeço de coração o empenho e boa vontade de minha mãe que cumpria o papel que deveria ser também e muito meu. Houve falhas nesta forma? Claro! Mas, como se diz, “é o que tinha pro dia”. Tiveram todos boa vida, férias gostosas, as tais roupas de marca que adolescentes adoram, frequentaram ótimos restaurantes, se instalaram em deliciosos hotéis, assistência médica de primeira linha, os melhores colégios. Enfim, tudo o que o material pode produzir e proporcionar. Amor? Sempre tudo foi feito com todo o carinho e amor do mundo. No meu conceito, proporcionar o de melhor era também uma grande forma de AMOR. E o tempo passou. Não me casei com o lorde, não fui pianista nem média, aprendi a cozinhar e muito bem (tive até rotisserie e restaurante). Fui excelente profissional como administradora gerencial, preparando perfeitos bastidores  para as “estrelas” que tive o prazer de conviver e trabalhar. E, como é inevitável, o tempo passou e passou. Até me ver hoje como uma senhora – idosa??!! – tranquila, ainda cheia de amor, em vésperas de ser bisavó (o que estou esperando acho que mais que o casal). Tive a infelicidade de ficar doente no ano passado, com um câncer no palato mole que me deixou muito triste e assustada. Mas consegui vencê-lo e o tumorzinho cicatrizou (ô glória!). Luto hoje com as sequelas da radioterapia que é um tratamento super agressivo e me perturba um bocado. Mas estou bem. Modifiquei minha alimentação por força das circunstâncias, perdi 35 quilos devido a isto (foi ótimo, pois fiquei com o corpo de solteira) e me sinto super cheia de vigor e energia.  Resumindo tudo isto, o texto que achei no facebook e que abaixo transcrevo, diz muito ou tudo o que realmente penso e sinto nesses dias que ainda são meus, tendo consciência de que tenho muito mais passado do que futuro (parodiando Rubem Alves).

E tudo fica tão simples…

 

 

de repente

 

Sorria…. viva!

Pense bem. A vida é um lapso no tempo.

V. é criança… pouco mais adolescente… logo em seguida jovem… mais um tequinho e torna-se adulto.

Luta, corre, fala em realizações, procria, caminha contra o vento, às vezes “sem lenço e sem documento”…  

num estalar de dedos e chega a maturidade,

logo seguida da tal velhice e passa a ser chamado de “terceira idade” ou idoso.

É tudo tão rápido que a gente só vai sentir que, de repente,

se olha no espelho e as rugas se instalaram,

nasceram pelos onde sempre foi liso, dores estranhas começam a doer aqui e ali….

os cabelos vão rareando sendo homem ou mulher….

Os sonhos vão ficando distantes… 

A memória vai escapando…

Daí a gente tem de parar, olhar pra trás e ver que a vida é mesmo um raio.

Então…….sorria

Sonhos

sonhos

Existe um tempo pra gente amar?

E pra se amar um alguém em sonhos?

Existe um tempo para sonhar?

E pra realizar um sonho em pensamento?

E um sonho em pensamento pode ser real?

Ou real é tão somente o que se toca?

Pode um toque ser real

Mesmo que sonhado intensamente?

 

São só perguntas de sonhadora,

São só realidades de quem sabe sonhar.

 

Sonia K.

Prece silenciosa

De Tobias como canalizado por Geoffrey Hoppe:

precesA oração Silenciosa é um reconhecimento de Tudo O Que É. Nesta oração eu sei que tudo que eu evoquei foi ouvido pelo espírito e que me foi dado tudo aquilo que pedi. É um reconhecimento de que minha alma é completa no amor e na graça de Deus. É um reconhecimento de meu total estado de perfeição e de Ser. Tudo aquilo que desejo, tudo o que quero co-criar, já está dentro de minha realidade. Eu a chamo de Prece Silenciosa porque sei que meu ser já está realizado. Não há necessidade de pedir nada ao espírito, porque tudo já lhe foi dado.

Em meu coração, eu aceito meu Ser Perfeito.
Eu aceito que a alegria que eu quis já esta em minha vida.
Eu aceito que o amor que rezei por ter já está dentro de mim.
Eu aceito que a paz que pedi já faz parte de minha realidade.
Eu aceito que a abundância que procurei já preenche minha vida.

Em minha verdade, eu aceito meu Ser Perfeito.
Eu assumo responsabilidade por minhas próprias criações,
E todas as coisas que estão dentro de minha vida.
Eu reconheço o poder do espírito que está dentro de mim,
E sei que todas as coisas são como devem ser.

Em minha sabedoria, eu aceito meu Ser Perfeito.
Minhas lições foram cuidadosamente escolhidas por mim mesmo,
E agora eu caminho por elas em completa experiência.
Meu caminho me leva em uma jornada sagrada com propósito divino.
Minhas experiências se tornam parte de tudo que há.

Em meu conhecimento, eu aceito meu Ser Perfeito.
Neste momento, eu me sento em minha cadeira de ouro
E sei que sou um anjo de luz.
Eu olho sobre a bandeja dourada- o presente do espírito-
E sei que todos os meus desejos já foram realizados.

Em amor por mim mesmo, eu aceito meu Ser Perfeito.
Não faço julgamentos nem ponho fardos sobre mim mesmo.
Eu aceito que tudo em meu passado foi dado em amor.
Eu aceito que tudo neste momento vem do amor.
Eu aceito que tudo no meu futuro resultará sempre em amor maior.
Em meu ser, eu aceito minha perfeição.
E assim é.

Pedaços de mim

Tem textos que pego pra ler e me encontro tanto que chego a ficar em dúvida se não fui eu que escrevi. Martha Medeiros é realmente muito especial em suas colocações e não me canso de ler tudo o que ela publica. 

“Eu sou feita de sonhos interrompidos,

detalhes despercebidos,  amores mal resolvidos.

Sou feita de choros sem ter razão, pessoas no coração,

atos por impulsão.

Sinto falta de lugares que não conheci,

experiências que não vivi, momentos que já esqueci.

Eu sou amor e carinho constantes,

distraída até o bastante, não paro por instantes.

Já tive noites mal dormidas, perdi pessoas muito queridas,

cumpri coisas não prometidas.

Muitas vezes eu desisti sem mesmo tentar, pensei em fugir.

Para não enfrentar, sorri para não chorar.

Eu sinto pelas coisas que não mudei,

amizades que não cultivei, aqueles que eu julguei, coisas que eu falei.

Tenho saudade de pessoas que fui conhecendo,

lembranças que fui esquecendo, amigos que acabei perdendo.

Mas continuo vivendo e aprendendo.”

(Martha Medeiros)