Arquivo de Tag | tristeza

Expresse seus sentimentos

Há poucos dias um amigo me perguntou o que a maturidade me ensinou.

De imediato respondi que a maturidade, quando chega, nos mostra que temos alguns direitos que antes não se faziam presentes.

Pensando no assunto, lendo matérias diversas, sofrendo na carne  e no espírito desavenças comigo mesma,

vou concluindo que é de suma importância deixar que nossos sentimentos aflorem.

Não existe nada que justifique ficarmos engolindo sensações boas ou não, sem se expressar ou demonstrar.  

A vida não é perfeita.

Temos os ciclos constantes de euforias, de grandes amores, de grandes dores, de perdas inconsoláveis, de ganhos incomensuráveis.

Cada dia é um só e não tem volta.

E então não tem sentido nenhum escondermos o que somos, o que queremos, o que gostamos,

o que nos agrada, o que nos desagrada, os sonhos que temos, a esperança que se renova, os medos que nos assolam.

Amor, raiva, saudade, querer, detestar, se irritar, sorrir, afagar, perdoar, querer companhia, pedir pra ficar só, chorar….

Tudo isto é vida.  

E a vida é pra ser vivida em todas as suas nuances, até que a morte nos separe.

Imperdoável permitir que a saúde deixe de existir completa por falta de consciência dos direitos que a nós pertence.

E nem precisa esperar pela maturidade pra fazer uso dos direitos inerentes.

Temos de viver sempre a realidade de cada um de nossos sentimentos

desde que a vida se instala e tem início nossa caminhada.  SK (Sonia K.)

coruja lendo

Você pode se enganar e enganar muitas pessoas fazendo o papel de bonzinho, de coitadinho ou contar mentiras para não ferir essa ou aquela pessoa. Você pode esconder tudo de todo mundo, mas o seu corpo sente e reage às agressões que você tem cometido contra ele.

Se você continua naquele relacionamento que não suporta mais, naquela rotina que tira a sua alegria, naquela sociedade que já se desgastou, naquele emprego que rouba o seu prazer, ou naquela amizade mais falsa que nota de R$ 60,00, o seu corpo vai sentir essas emoções e como uma bateria, vai carregar e armazenar esses sentimentos, até que um dia vai explodir como bomba atômica.

Desde crianças, somos obrigados a segurar as emoções. Muitos pais ensinam que chorar é “sinal de fraqueza”, “masturbação é pecado”, “sexo é vergonhoso e ter prazer é coisa de pessoas sem vergonha”. Desde muito pequeno, vamos sendo castrados em nossos sentimentos e emoções e quando podemos tomar nossas próprias decisões, em nome de “convenções da sociedade”, seguramos nossa raiva, nossa indignação, não abraçamos nossos amigos, não beijamos mais por uma vergonha besta e ridícula. A menina não abraça a menina por ter medo de ser chamada de “sapatão”, o menino não abraça o menino com medo de ser chamado de “bicha” e os homossexuais, escondem seus sentimentos com medo de serem rechaçados pela família e pela “comunidade”.

Assim, vamos armazenando sentimentos que precisam sair de alguma forma, e normalmente, todas as emoções se traduzem em raiva e/ou tristeza, uma sombra que se esconde por trás de sua aparente figura. Quanto mais tempo você sofrer calado, mais doente vai ficar…

Carl e Stephanie Simonton dirigem o “Cancer Counseling and Research Center de Dallas”, Texas , ele é um médico radioterapeuta, especializado no tratamento do Câncer. Stephanie é formada em Psicologia. Eles defendem a ideia de que as doenças sofrem grande influência psicológica. O casal, concluiu que uma doença não é só um fato físico, e sim, um problema que diz respeito à pessoa como um todo; corpo, emoções e mente. As emoções e a mente tem certa função na reação ao Câncer e na sua recuperação.

O Câncer, por exemplo, surge como uma indicação de problemas em outras áreas da vida da pessoa, agravados ou compostos de uma série de “problemas” que surgem de 6 a 18 meses antes de aparecer o Câncer. Foi observado que as pessoas reagiram a esses “problemas” com um sentimento de falta de esperança, desespero, desistindo de lutar por uma vida melhor. Acredita-se que essa reação emocional dispara um conjunto de reações fisiológicas que diminuem as defesas naturais do corpo, tornando-o mais frágil e favorecendo à produção de células anormais.

Por isso, nada de ficar guardando as suas emoções em uma caixa de orgulho e falsos pudores. Quer gritar? Grite!.

Quer reclamar? Reclame.

Quer comer jiló? Coma.

Quer se separar? Separe-se.

Pare de esconder os sentimentos, a vítima com certeza será você.

Paulo Roberto Gaefke

 

 

 

 

Estresse e Estafa

 total stress

“O que as pessoas sentem quando estão estafadas é exaustão física e emocional.”

stress

Os médicos suspeitavam da existência do estresse havia muito tempo, mas só na última década tornou-se evidente que ele é a principal causa de enfermidades e até mesmo de mortes. O estresse está associado a quase todas as doenças, dos problemas de coração e hipertensão ao câncer, passando pelo diabetes, distúrbios metabólicos e disfunções hormonais.

Mas o que é o estresse? O dr.Hans Selye foi o primeiro a emprestar um aspecto fisiológico ao termo, definindo-o como uma resposta não específica do organismo a qualquer exigência.

Ele descreveu uma “síndrome de adaptação genérica” na qual o corpo reage a qualquer estímulo ameaçador por meio de uma seqüência de mudanças internas previsíveis, inclusive a liberação de certos hormônios.

Trata-se da mesma reação que apresentamos quando nos vemos fisicamente ameaçados. Os seres humanos e os animais desenvolveram essa reação como mecanismo de proteção. É ela que permite a todos os organismos a adaptação às mudanças do meio ambiente.

Embora Selye pensasse que essa série de reações previsíveis surgisse na presença de “agressores”, fossem eles físicos ou psicológicos, parece que não é bem esse o caso.

Hoje em dia, os cientistas acreditam que os organismos possuem respostas bem específicas e individualizadas contra as ameaças externas. Atualmente, a definição-padrão de estresse se aproxima daquilo que as pessoas pensam quando aplicam o termo a si mesmas: “Estresse é o acúmulo de pressões normais e anormais da vida diária com as quais o indivíduo tem de lidar”. Qualquer um que despenda energia com a agitação, o barulho e o caos da vida moderna sabe o que isso significa.

Entretanto, o estresse não é algo externo, mas está dentro de nós. De acordo com o dr. Daniel X. Friedman, autoridade no assunto, ” o estresse é o efeito conjunto produzido pelo corpo e a mente diante da sensação de ameaça, ou seja, uma reação instantânea. Esse processo é desencadeado pela percepção da ameaça, e não por um evento concreto. A percepção depende do temperamento de cada um e de suas experiências anteriores”. Os grifos são meus, e têm a finalidade de ressaltar a natureza subjetiva do estresse. O dr. Friedman também afirma que as respostas a ameaças externas são individuais e dependem dos “níveis anteriores de estímulo e da capacidade de adaptação. Níveis adequados de estresse ajudam o indivíduo a se adaptar, mas o estresse inadequado tem como única conseqüência o surgimento da doença”.

Vejamos alguns exemplos. As situações de estresse mais lembradas são o divórcio, a morte de um ente querido, perda de dinheiro e posses, desemprego, a doença de um parente próximo e as críticas recebidas de outras pessoas. Entretanto, essas situações não são intrinsecamente estressantes. A verdadeira causa do estresse é o medo: medo do divórcio, de perder uma pessoa querida ou o emprego, o medo de ser criticado. Nem mesmo a morte iminente é em si um fator de estresse, mas sim o medo de morrer. Mais uma vez deparamos com padrões de pensamento que induzem a alterações neurológicas e bioquímicas. O estresse flui da mente para o corpo.

Atualmente, dispomos de vários dados que revelam as alterações hormonais e químicas resultantes de situações de estresse. Sabemos, por exemplo, que o nível de cortisona, um hormônio secretado pelas glândulas supra-renais, aumenta quando a pessoa precisa passar por uma cirurgia. O estudo mais acurado desses casos, porém, mostrou que não é a cirurgia a responsável por essa elevação, mas a expectativa que ela cria no paciente. Várias pesquisas também já demonstraram que as taxas do hormônio de crescimento aumentam quando os estudantes fazem provas ou quando assistem a cenas violentas ou de sexo explícito no cinema. O mais significativo é que esses estudantes apresentavam a mesma resposta orgânica se pensassem em tarefas exaustivas ou se tivessem de enfrentar experiências que produziam angústia e ansiedade.

Além desses, há outros hormônios cujos níveis aumentam em situações semelhantes, entre eles a epinefrina, norepinefrina e a prolactina (produzida pela hipófise). Todos esses exemplos provam que o estresse opera através da conexão psicofisiológica: um pensamento resulta na secreção de um hormônio, ou grupo de hormônios, que, por sua vez, causam várias alterações metabólicas e fisiológicas. Em outras palavras, a pessoa sente uma ameaça, o cérebro a registra enviando sinais que desencadeiam a liberação de hormônios, e estes enviam mensagens aos órgãos que precisam reagir. E essa reação, que pode induzir todo o corpo a uma atitude enérgica, acontece em uma fração de segundo.

A principal manifestação anormal do estresse é a doença. Uma vez que a doença envolve uma série de alterações ao longo do tempo, devemos dizer que o estresse é um processo de doença cujos efeitos se acumulam no corpo.

Esse processo pode resultar em hipertensão em uma pessoa e úlceras em outra. Ou então ele se manifesta por meio de sintomas não-específicos que constituem o que se chama de estafa.

O que as pessoas sentem quando estão estafadas é exaustão física e emocional. Entre os sintomas físicos estão a fadiga, a insônia, dores de cabeça, dores nas costas, má digestão, falta de ar, resfriados constantes e perda ou ganho de peso não desejados. A pessoa com estafa começa a se sentir entediada, irrequieta, estagnada e deprimida.

Passa o dia racionalizando o próprio comportamento ou engajando-se em atividades e pensamentos obsessivos. Ao contrário dos indivíduos saudáveis, abertos para a vida, mostra-se rapidamente irritada, não consegue compartilhar alegrias com ninguém e reage às situações do dia-a-dia de modo cínico, defensivo e crítico. A fim de se sentir um pouco mais relaxada, é comum se tornar dependente do álcool ou das drogas.

O estresse também pode ser fatal. A mais nova e surpreendente descoberta sobre o estresse é que ele deprime o sistema imunológico.

Quando alguém vive sob estresse crônico, a produção de células “assassinas”, os linfócitos-T e macrófagos, é inibida. É provável que essa inibição aconteça devido ao excesso de cortisona e outros hormônios, observado em pessoas estressadas. Uma vez que essas células assassinas são responsáveis pelo combate a infecções e outras doenças, é possível que tenhamos encontrado a conexão entre estresse e o desenvolvimento de disfunções como pneumonia e câncer.

O estresse tem alguma finalidade? Algumas pessoas afirmam que o estresse é necessário para seu desempenho. Com isso, querem dizer que precisam do estresse para competir e ser bem-sucedidas em meio à agitação em que vivem. Vários artigos afirmam a mesma coisa, ou seja, que um pouco de estresse é bom, mas muito estresse, especialmente do tipo errado é péssimo. Considero esse ponto de vista um equívoco. Todos os seres vivos possuem mecanismos inatos que lhes permite crescer e se adaptar. O girassol acompanha o Sol porque dispõe de um mecanismo interno que determina esse comportamento. Sabiamente, nos dias nublados, o mecanismo não funciona.

As adaptações são necessárias e naturais, e o ser humano é a espécie mais dotada de mecanismos de adaptação.

As pessoas perfeitamente saudáveis têm reações naturais e saudáveis para todas as situações, como, por exemplo, não fazer nada, mostrar-se pacientes e saber quando descansar.

Contudo, quando exigimos demais de nós mesmos, interferindo nas reações naturais que nos são intrínsecas, os problemas surgem. O estresse se acumula quando não agimos de acordo com nossa sabedoria interior. Dizer que não precisamos de maisestresse na forma de comportamento mais “agressivo” é o mesmo que afirmar que devemos nos ajustar às anormalidades da tensão, do excesso de competição e da pressa constante. Esse tipo de observação é um exemplo óbvio da falta de confiança na inteligência do corpo. O “controle do estresse” só será bem-sucedido se não houver controle. Somos dotados de uma infinidade de reações que nos guiam pela vida afora, e, se não houver interferência, elas são suficientes para toda e qualquer situação. No entanto, para funcionar de acordo com as intenções da natureza, essas reações devem ser coordenadas instantaneamente. A mente toma decisões, mas o mesmo acontece com o coração, com os hormônios, com todas as células e com o DNA. Quando todo o organismo funciona em harmonia, a conseqüência é a saúde perfeita e a inteligência natural, que acentua o prazer de viver. Tudo o que precisamos para ter uma vida assim é nos livrarmos do estresse, e, para isso, o mais importante é adotar uma postura de relaxamento e confiança.

Essas são as várias manifestações do estresse. A chave para sua superação também está na mente, o centro de todos os pensamentos e de todas as funções orgânicas que têm origem no pensamento. Vamos descobrir que a maior parte da controvérsia atual sobre o controle do estresse fica desprovida de sentido quando voltamos nossas baterias para o nível mais profundo de saúde.

Texto do livro: O caminho para o amor
Autor: Deepak Chopra

 

 

 

 

Diferencie a tristeza comum da depressão

Tenho ouvido bastante ultimamente as pessoas se queixarem de depressão

e até a dúvida se não seria só uma tristeza profunda gerada por motivos os mais diversos.

Encontrei uma matéria interessante que demonstra bem as diferenças e que poderá ser útil para conhecimento.

depressão no geral

A tristeza dura entre 15 e 20 dias, enquanto a depressão pode vir acompanhada de sintomas físicos

ESCRITO POR:Priscila Gasparini – Psicóloga – Site Minha Vida

Tarô da Transformação do Momento – OSHO

Não consigo resistir à leitura de Osho. Enriquece, muda formas de pensar, trás vida para a vida.

osho

Mesmo que você tenha quebrado seus votos mil vezes…

Tristeza, sofrimento e miséria – tudo tem que ser tomado de forma não-séria, porque, quanto mais você os levar à sério, mais difícil será livrar-se deles. Quanto menos sério você for, mais fácil ficará passar através do sofrimento, através dos períodos de escuridão, cantando uma canção. E, se uma pessoa é capaz de passar por esses períodos cantarolando e dançando, então por que se torturar sem necessidade? Torne essa jornada somente um belo caso para risadas.

Há uma bela frase de Mevlana Jalaluddin Rumi, um dos maiores mestres sufis de todos os tempos. Ele disse: Venha, quem quer que seja; Errante, religioso, amante do conhecimento… Não importa. 

Não é de desespero, nossa caravana. Venha, mesmo que por mil vezes tenhas quebrado seu voto. Venha, venha, e mais uma vez, venha. Lembre-se desta bela frase: “Não é de desespero nossa caravana.” Também posso dizer isto. Não é de desespero nossa caravana, é a celebração da vida. 

As pessoas se tornam religiosas para fugir da infelicidade, e aquele que se torna religioso por conta da miséria, do sofrimento, está se tornando religioso pelas razões erradas. E, se algo já começa errado, o fim não poderá dar certo. Torne-se religioso por causa da alegria, por causa da experiência da beleza que está ao seu redor, por causa do enorme presente que a existência lhe deu: a vida. 

Torne-se religioso por gratidão. Seus templos, suas igrejas, suas mesquitas e gurudwaras estão cheios de pessoas miseráveis. Elas transformaram também os seus templos em infernos. Estão lá porque estão em agonia. Elas não conhecem nada sagrado, nenhuma verdade, não têm interesse na verdade. Não estão preocupadas com a verdade, não há questionamento. Estão lá apenas para serem consoladas, confortadas. 

Então procuram qualquer um que possa dar a elas crenças fáceis com as quais possam remendar suas vidas, esconder suas feridas, cobrir sua infelicidade. Estão lá à procura de uma falsa satisfação. A nossa caravana não é de desespero. É um templo de alegria, de canções, de música, de criatividade, de amor e vida. Não importa. 

Você pode ter quebrado todas as regras de conduta ou de moralidade. Na verdade, qualquer um que tenha alguma coragem irá quebrar essas regras. Concordo com Jalaluddin Rumi, quando ele diz: Venha, mesmo que por mil vezes você tenha quebrado os seus votos. 

As pessoas inteligentes irão quebrar todos os seus votos muitas vezes, porque a vida está sempre mudando, as situações mudam. E um voto é feito sob pressão – talvez o medo do inferno, a ganância pelo paraíso, respeitabilidade na sociedade… Não está vindo do núcleo mais profundo de seu ser. 

Quando algo vem de seu próprio ser interno, nunca se quebrará. Mas então não será um voto, será um fenômeno simples, como respirar. Venha, venha e mais uma vez venha. Todos são bem-vindos, sem qualquer condição. 

Você não precisa preencher nenhum pré-requisito. Chegou a hora em que é necessário uma grande rebelião contra todas as religiões estabelecidas. A religiosidade é necessária no mundo, mas não precisamos de novas religiões – chega de hindus, cristãos, mulçumanos – só é preciso de de pessoas puramente religiosas, pessoas que tenham grande respeito e amor por si mesmas.

Copyright © 2013 Osho International Foundation

 

 

Vai passar…

Muitas vezes a gente para, analisa toda uma situação sendo vivida e não tem muito a comentar.

 Só uma dor que corrói lá no fundo e vai se tornando insuportável.

Nada, nem mesmo as palavras mais doces ou encorajadoras conseguem transpassar o que se tem no íntimo e faz a alma chorar.

Os dias vão ficando cinzas em todas as suas nuances

e o sol já nem é notado em seu brilho.

As estrelas vão perdendo a luz e o luar torna-se só uma bola prateada.

E a alma chora.

 anjos“Que vontade a gente sente um monte de vezes de ir lá pertinho do ponto exato

onde mais dói alguém que amamos

e soprar a tal dor para um lugar onde ela não machuque mais ninguém.

Como não podemos, abraçamos,

que o abraço é também um jeito de dizer:

“vai passar, está passando; eu estou aqui com você.”

Quando ficares velha

 

amor na velhice

Quando ficares velha, grisalha e sonolenta
E te aqueceres à lareira, pega neste livro
E lê-o devagar, sonha com o olhar meigo
E com as sombras profundas outrora nos teus olhos;

Quantos amaram os teus momentos de feliz encanto
E a tua beleza com amor falso ou autêntico,
Além daquele homem que amou em ti a alma peregrina
E as tristezas que alteravam o teu rosto;

E curvando-te mais sobre a lareira ao rubro
Murmura, um pouco triste, como o Amor se foi
E caminhou sobre as montanhas lá no alto
E escondeu o rosto numa multidão de estrelas.

(William Butler Yeats)

Retirado do blog A Magia da Poesia.

A Glândula Timo

glandula timo

No centro do peito, atrás do osso onde as pessoas tocam quando ele diz ‘EU’, existe uma pequena glândula chamada timo. Seu nome em grego, “thymos ” significa energia vital. Será preciso dizer mais?

Sim, é preciso dizer algo mais… Porque o timo continua sendo um grande desconhecido. Ela cresce quando estamos alegres e se encolhe pela metade quando estamos estressados e mais ainda quando adoecemos.

Este recurso confundiu durante muito tempo a medicina que o conhecia encolhido apenas através de autópsias quando sempre estava encolhido.
Supunha-se que fosse atrofiado e que deixava de trabalhar na adolescência, tanto que durante décadas médicos americanos bombardearam o timo que estavam perfeitamente saudáveis com altas doses de raios X, acreditando que seu “tamanho anormal” poderia causar problemas.

Mais tarde a ciência comprovou que mesmo estando encolhido após a infância, o timo ainda continuava ativo e, é um dos pilares do nosso sistema imunológico, juntamente com as glândulas suprarrenais  e a medula espinhal e está diretamente ligado aos sentidos da consciência e da fala.

Como uma central telefônica por onde passam todas as chamadas fazendo as conexões para fora e para dentro.
Se somos invadidos por micróbios ou toxinas reage imediatamente produzindo células de defesa.
Mas também é muito sensível a imagens, cores, luzes, cheiros, sabores, gestos, toques, sons, palavras e pensamentos.
Amor e ódio o afetam profundamente.
Os pensamentos negativos têm mais poder sobre ele que os vírus e bactérias.

Como essa atitude negativa não existe de forma concreta, o timo tenta reagir e enfraquece com a luta contra o invasor desconhecido e abre espaços para sintomas de baixa imunidade, como herpes.

Em compensação os pensamentos positivos conseguem ativar todos os seus poderes, lembrando que a fé remove montanhas.
Um teste de pensamento.
Este simples teste pode demonstrar essa conexão.

Una o seu polegar e o dedo indicador na posição de ‘ok’, pressione com firmeza e peça a alguém para tentar abri-los enquanto você pensa * estou feliz. *

Em seguida, repita com o * pensamento * Eu sou infeliz.

A maioria das pessoas manteve a força do dedo com o pensamento feliz e enfraquece quando você pensa que é infeliz. (Substitui os pensamentos de um delicioso chocolate, recheado com creme de coco, para ver o que acontece…) O mesmo teste é usado para diagnosticar situações muito mais complexas.

Por exemplo, o médico precisa de um diagnóstico diferencial o paciente tem um abscesso no fígado e os sintomas tanto pode significar um câncer como amebas.

Usando lâminas de amostras ou slides com representações gráficas de ambas as hipóteses testa a força muscular do paciente que está em contato com eles e chega ao resultado desejado.
As reações são consideradas respostas do timo e esse método que tem sido demonstrado em congressos científicos ao redor do mundo e é ensinada na Universidade de São Paulo (Brasil) e com médicos acupunturistas.

O curioso é que o timo é bem próximo ao coração, que acaba ganhando todo o crédito por sentimentos, emoções, decisões, fala, audição, estado de espírito, etc. ”
“ Estou com o coração pesado”, por exemplo, revela uma verdadeira situação que só por reflexo envolve o coração ao problema.
O próprio Chakra cardíaco fonte da energia de unidade e de compaixão, tem mais a ver com o timo que com o chakra do coração e é neste chakra que, segundo os ensinamentos budistas, há a passagem do estado animal para o estado humano.

Que interessante! Você pode está pensando, mas e daí?
Acontece que, se você quiser, pode exercitar o timo para aumentar sua produção de riqueza e felicidade.

Na parte da manhã ao levantar ou à noite antes de dormir:

a) – Em pé, joelhos levemente dobrados (a distância entre os pés deve ser o mesmo do ombro). Coloque o seu peso em toda sola do seu pé, mas sobre os dedos e não sobre o calcanhar e mantenha todos os músculos muito relaxados.

b) – Feche qualquer uma das mãos e começar a tocar continuamente com os nós dos dedos no centro do peito, marcando o ritmo, assim uma forte e duas fracas. Siga fazendo isso de 3 a 5 minutos, respirando calmamente, enquanto observa a vibração em toda a região torácica.

O exercício estará atraindo o sangue e a energia para o timo, fazendo-a crescer em vitalidade e também beneficiando o pulmão, coração, brônquios e garganta.

Ou seja, enchendo o peito de algo que era seu e só estava esperando um olhar de reconhecimento para se tornar corajoso, calmo, nutrido emocionalmente como um abraço.

Excelente, intimista, cheio de ânimo…

Luis Hdez.  Ayurveda Tibetano  Deva Shabdam Janete YOGA MAHA MANU