Arquivo de Tag | valores

Ofertas de Aninha (aos moços)

Alguns poemas a gente lê, tempos depois relê e vão ficando marcados em nossa alma.

Cora Coralina é de uma pureza em suas expressões, que me encanta.

Este poema, especialmente, eu tinha de registrar aqui pela afinidade que me transmite.

Deus amor

 

Eu sou aquela mulher
a quem o tempo
muito ensinou.
Ensinou a amar a vida.
Não desistir da luta.
Recomeçar na derrota.
Renunciar a palavras e pensamentos negativos.
Acreditar nos valores humanos.
Ser otimista.

Creio numa força imanente
que vai ligando a família humana
numa corrente luminosa
de fraternidade universal.
Creio na solidariedade humana.
Creio na superação dos erros
e angústias do presente.

Acredito nos moços.
Exalto sua confiança,
generosidade e idealismo.
Creio nos milagres da ciência
e na descoberta de uma profilaxia
futura dos erros e violências
do presente.

Aprendi que mais vale lutar
do que recolher dinheiro fácil.
Antes acreditar do que duvidar.

CORA CORALINA

(Poema retirado do livro Melhores Poemas; seleção e apresentação Darcy França Denófrio. São Paulo: Global, 3a edição, 2008.)

Lucidez

na corda bamba

“O Homem Lúcido

O Homem Lúcido sabe
que a vida é uma carga tamanha de acontecimentos e emoções que ele nunca se entusiasma com ela
Assim como ele nunca tem memórias

O Homem Lúcido sabe
que o viver e o morrer
são o mesmo em matéria de valor
posto que que a vida contém tantos sofrimentos
que a sua cessação não pode ser considerada um Mal

O Homem Lúcido sabe
que ele é o equilibrista na corda bamba da existência
Ele sabe que por opção ou por acidente
é possível cair no abismo a qualquer momento
interrompendo a sessão do circo

Pode tembém o Homem Lúcido
optar pela vida
Aí então Ele esgotará todas as suas possibilidadades

Ele passeará pelo seu campo aberto
pelas suas vielas floridas
Ele saberá ver a beleza em tudo!

Ele terá amantes, amigos, ideais
urdirá planos e os realizará
Resistirá aos infortúnios
e até mesmo às doenças

E se atingido por um desses emissários
saberá suportá-lo
com coragem e com mansidão

E morrerá, o Homem Lúcido, de causas naturais
e em idade avançada
cercado pelos seus filhos
e pelos seus netos
que seguirão a sua magnífica aventura.

Pairará então sobre a memória do Homem Lúcido
uma aura de bondade
Dir-se-á:
-Aquele amou muito. Aquele fez muito bem as pessoas!

A Justa Lei Máxima da Natureza obriga
que a quantidade de acontecimentos maus na vida de um homem se iguale sempre à quantidade acontecimentos favoráveis

O Homem Lúcido porém
esse que optou pela vida
com o consentimento dos deuses
tem o poder magno de alterar essa lei

Na sua vida, os acontecimentos favoráveis serão sempre maioria…

Porque essa é uma cortesia que a Natureza faz com

Os Homens Lúcidos”

(O texto é uma livre tradução, parte de um Tratado sobre a lucidez, que teria sido escrito no séc. VI a.C, na Caldéia – parte sul e mais fértil da Mesopotamia, entre os rios Eufrates e Tigre) Retirado do blog Fabio Rocha.

Toxinas da Casa

Recebi esta matéria da amiga Marisa e considerei muito importante deixar registrada. Afinal sei bem como todos são um pouco ou muito apegados a pequenas coisas que foram talvez importantes um dia mas que, com o tempo, vão se transformando em tralhas. A gente nem nota, mas vai acumulando inúmeros objetos sem nenhum valor. Já tem algum tempo que não junto nada. Jogo fora, dou, vou compactando gavetas e armários. Já tenho até gavetas vazias!!

“Vida nenhuma é próspera se estiver pesada e intoxicada”.

Já ouviu falar em toxinas da casa?  Veja quais são:

– objetos que você não usa,

– roupas que você não gosta ou não usa há um ano,

– coisas feias,

– coisas quebradas, lascadas ou rachadas,

– velhas cartas, bilhetes,

– plantas mortas ou doentes,

– recibos/jornais/revistas, antigos,

– remédios vencidos,

– meias velhas, furadas,

– sapatos estragados…

“O que está fora está dentro e isso afeta a saúde física e mental”

O ‘destralhamento’ é a forma mais rápida de transformar a vida e ajudar as outras eventuais terapias.

Com o destralhamento:

– A saúde melhora – A criatividade cresce  – Os relacionamentos se aprimoram…

É  comum se sentir cansadodeprimidodesanimado, em um ambiente cheio de entulho, pois “existem fios invisíveis que nos ligam à tudo aquilo que possuímos“.

Outros possíveis efeitos do “acúmulo e da bagunça”:  

sentir-se desorganizadofracassado;  limitadoaumento de pesoapegado ao passado

No porão e no sótão, as tralhas viram sobrecarga;

Na entrada, restringem o fluxo da vida;

Empilhadas no chão, nos puxam para baixo;

Acima de nós, são dores de cabeça;

“Sob a cama, poluem o sono“.

“Oito horas, para trabalhar;

Oito horas, para descansar;

Oito horas, para se cuidar.”

Perguntinhas úteis na hora de destralhar-se:

– Por que estou guardando isso?

– Será que tem a ver comigo hoje?

– O que vou sentir ao liberar isto?

…e vá fazendo pilhas separadas…

– Para doar! – Para jogar fora!

Para destralhar mais:

– livre-se de barulhos / das luzes fortes / das cores berrantes / dos odores químicos / dos revestimentos sintéticos…

e também….

– libere mágoas / pare de fumar / diminua o uso da carne /  termine projetos inacabados.

“Acumular nos dá a sensação de permanência, apesar de a vida ser impermanente”, diz a sabedoria oriental.

O Ocidente resiste a essa idéia e, assim, perde contato com o sagrado instante presente.

“as frutas nascem azedas e no pé, vão ficando docinhas com o tempo”…

a gente deveria de ser assim,

“Destralhar ajuda a adocicar.”

Se os sábios concordam, quem sou eu para discordar?

Energia mental


 “Sua mente vagueia? Pensando no que fazer hoje ou no que poderia ter feito ontem, na última semana ou no ano passado? Se você faz isso, você não está só. A maioria das mentes é como um trem desgovernado. Os seres humanos fazem o mundo funcionar e suas mentes subconscientes fazem os seres humanos funcionar. Para mudar essa tendência precisamos prestar atenção nos nossos pensamentos a cada segundo. Quanto tempo leva para um ladrão roubar um anel de brilhantes? Um segundo de desatenção. O negócio do ladrão é pegar, mas o nosso negócio deveria ser sempre o de proteger nossos valores, ou seja, nossos pensamentos e nossa energia mental. São os nossos pensamentos que fazem o nosso mundo.”

BK David/BKumaris

Verdade!

Acho muito bom parar de vez em quando e refletir sobre certos aspectos da vida. Afinal a gente vai passando os dias, vai levando um monte de coisas que não acrescentam nada e nem dá uma olhada ao redor prestando mais atenção. Quando recebo mensagens significativas gosto de registrar até pra reler depois de algum tempo e comparar o que foi e o que é.
“Nós bebemos demais, gastamos sem critérios.
Dirigimos rápido demais,
ficamos acordados até muito mais tarde,
acordamos muito cansados,
lemos muito pouco, assistimos TV demais
e  raramente estamos com Deus.
Multiplicamos nossos bens,
mas reduzimos nossos valores.
Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos frequentemente.
Aprendemos a sobreviver, mas não a viver;
adicionamos anos à nossa vida e não vida as nossos anos.
Fomos e voltamos da Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua
e encontrar um novo vizinho.
Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.
Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.Limpamos o ar, mas poluímos a alma;dominamos o Átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.

Construímos mais computadores para armazenar mais informação,
produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos cada vez menos.
Estamos na era do ‘fast-food’ e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos, vários divórcios,
casas chiques e lares despedaçados.
Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis,
das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas “mágicas”.

Um momento de muita coisa na vitrine
e muito pouco na dispensa.
Uma era que leva essa carta a você,
e uma era que te permite dividir essa reflexão ou simplesmente clicar e apagar.

Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama,
pois elas não estarão aqui para sempre.
Lembre-se dar um abraço carinhoso em seus pais,
num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer.Lembre-se de dizer ‘eu te amo’ à  sua esposa(o),
seus filhos, seus netos, seus vizinhos e às pessoas que ama,
antes que seja tarde e elas se vão…
mas, em primeiro lugar, se ame… se ame muito.
Um beijo e um abraço curam a dor, quando vem lá de dentro.
Por isso, valorize sua família e as pessoas que estão ao seu lado, sempre.”
 
 
 
(George Carlin)